05 novembro 2009

Flutuando Abismos....

No dia 01 de Novembro finalmente aconteceu a travessia da Slack Line no Desfiladeiro da Catedrais.
O Bonga estava inspirado e desprendido... foi emocionante vê-lo flutuando sobre o vazio!










Irivan testando a segurança do sistema...




video

14 agosto 2009

De volta para casa

Privyet Turma;

Chegamos hoje 14.08 de volta a Bishkek, capital do Quirguistao, depois de 20 dias pelas montanhas do Tien Shan. Vou contar um pouco de tudo que aconteceu por aqui nestes 50 e poucos dias de expedicao. Desculpem mas o teclado nao tem acentos....

   Bem saimos do Brasil dia 24 de Junho e depois de 3 dias entre aeroportos e conexoes chegamos finalmente em Bishkek. Para variar extraviou-se uma bagagem e tivemos que esperar mais 3 dias para que chegasse o tal volume com parte excencial do meu equipo de escalada. Finalmente com tudo pronto seguimos para o Pamir no dia 29.06. Nosso primeiro objetivo o Lenin Peak (7.134m). Fomos os primeiros montanhistas da temporada a chegar e fomos recebidos com uma bela nevasca. Como chegamos primeiro tivemos o prazer de abrir o caminho ate o Campo 1, depois ate o campo 2 e ate o campo 3 quando encontramos neve ate a cintura. Tinhamos um plano ousado de tentar as 5 montanhas com mais de 7.000 m da Asia central e o programa era apertado. Chegou o dia 17.07 e ainda nao tinhamos tentado o cume por dificuldades obvias. Descemos arrumamos tudo para seguir com o programa. Apos muitas opinioes e conversas fomos literalmente convencidos a abandonar a ida ao Pico Comunismo e Pico Korneviskaya (Tadjquistao) e tentar novamente o Lenim pois ali estavamos. Voltamos a subir, com uma boa previsao do tempo, para uma nova investida. Dia 19.07 fomos os segundos a chegar no cume nesta temporada do Lenin. No dia anterio um Frances tinha chego ao cume com esquis. Enfim decisao acertada. O dia de cume foi azul mas com muuuuuiiiitttoooooooo vento gelado. Super frio e eh uma subida e descida longa. Sao 7 km de crista entre os 6.100m e os 7.134m do cume. Levamos 9 horas subindo e 6 h descendo, mas valeu a pena. Voltamos ao campo base e iniciamos uma maratona de deslocamentos para sair do Pamir e ir ate o Tien Shan. Carro, aviao, taxi, van, helicoptero....enfim dia 25.07 chegamos ao campo base Inylchek sul. Aqui nossos objetivos eram o Kan Tengri (7010m) e o Pobeda (7463m). Chegamos com bom tempo o que foi bom e ruim pois sempre depois do bem tempo vem as tempestades e foi o que aconteceu. Logo depois que chegamos o tempo fechou e ficamos 5 dias descansando pelo base que esta a 4.000m. Finalmente uma brecha de bom tempo e arrumamos tudo e ja aclimatados seguimos para o Kan Tengri em one push. Dia 30 fomos ao campo 1 e 31 direto para o campo 3, 1600 m de desnivel em 8 horas, deu para cansar de subir. Descansamos no campo 3 no dia 1 pois o tempo previsto era ruim e realmente foi. Dia 02.08 as 4h da matina saimos para o cume. Uma cristra de rocha bonita e mais 1200m de desnivel pela frente. Nosso amigo vento gelado esteve presente o tempo todo, com o agravante de a crista ser oeste, assim que o sol so nos alcancou as 11 da manha proximo aos 6.800m, o que foi nada pois a esta altura o vento ja estava super gelado. Minhas maos e meus pes ficaram quase congelados. As 13 30 chegamos ao cume do Kan Tengri, super bonito, super visula e um frio descomunal. Creio que conseguimos ficar uns 10 min pelo cume e comecamos a descer. Na descida um pouco de neve e mais vento. Por fim perto da 6 da tarde chegamos ao campo 3 para tentar descansar. No dia seguinte tinhamos que voltar ao base e devido a um trecho perigoso de avalanches tinhamos que sair cedo. Assim as 5 30 deixamos o campo 3 e descemos para o base, passando pelo gargalo da garrafa as 7 em condicoes mais seguras. Chegamos ao base pelas 14h do dia 3.08, cansados mas muito felizes com a escalada, muito bonita e mais tecnica que a do Lenin. Uma montanha realmente impressionante esteticamente e tecnicamente. Minhas maos ok, meus pes com alguns dedos amortecidos pelo frio. Entao descansar para a proxima e mais dificil das montanhas da empreitada, o Pobeda.
Planejamos descansar pelo menos 3 dias, porem estavamos ligando para a Marcia todos os dias para acompanhar a previsao do tempo e tentar acertar o clima com a estrategia. O Pobeda eh uma escalada longa e sabiamos que teriamos que esperar o mal tempo em algum ponto do caminho. Bem por ai comecou o show de horror. Desceu um montanhista de taiwan do Kan Tengri com 6 dedos das maos (3 em cada) congelados. Nada muito bonito de ver. O time Iraniano de 11 estavam no Pobeda uns 8 dias e com muitas dificuldades. Bem dia 08.08 pareceu um bom dia e seguimos com a escalada. Fomos ao campo 1 (4.400m -6 h) onde dormimos e no dia seguinte saimos as 5 da manha para o campo 3 diretamente. Foram 10 de subida para chegar aos 5.900m. O campo 3 eh em uma crista bem vertical e por sorte ja tinham 2 covas de neve prontas e desocupadas por la. O dia foi azul e sem vento, coisa super rara no Pobeda. Sabiamos pela previsao que vinha chumbo grosso. No final da tarde comecou a nevar forte e nevou a noite inteira. As 5 da manha o primeiro susto, uma avalanche passaou por cima da cova e soterrou a porta de entrada. Blocos de gelo para dentro da casinha....bem panico no primeiro momento, depois a pa estava na porta e enfim embaixo de muita neve. Com a tampa da panela o Waldemar conseguiu cavar um buraquinho e deu um peixinho para fora da cova. Achou a pa e cavou de fora para dentro a nosssa entrada e a da cova ao lado onde estavam 3 russos. Passado o susto, voltamos para o calorzinho do saco de dormir, mas a neve continuava. As 9 45h veio o inevitavel, a segunda avalanche com o mesmo efeito da primeira, desta vez com a pa dentro da cova. Novamente o Waldemar saiu dando pazadas na neve e conseguimos abrir a cova novamente. Nevou muito mais do que tinhamos imaginado. Durante o dia o clima deu uma tregua e ate abriu um sol que serviu para secar os sacos de dormir e as botas para encarar a proxima noite. Por hora resolver esperar para ver como ia ficar pois subir ou descer estava muito perigoso. Bem no final da tarde voltou a nevar forte e com vento. Parecia que tinha um Hercules C130 decolando na porta da cova. Assim que nesta noite nao teve avalanche mas o vento acumulou tanta neve na porta que as 0 30 foi minha vez de sair com a pa ao vento e cavar a porta para nao sermos soterrados novamente. Bem alegria de pobre dura pouco, as 5 30 fui de novo cavar a porta pois ja estavamos soterrados novamente. O vento estava daquele jeito. As 7 arrumamos tudo e tomamos a decisao mais sana de toda viagem, vamos para baixo. Porem nao foi simples, logo na saida neve ate a cintura em pendente de 50 graus. Para quem nao sabe, super instavel e o risco de descer com tudo era enorme. Bem ai agradeco a todos voces, pois pedi muita protecao e energia de todos para encarar a crista sem caminho e carregada de neve. Foi dia 11.08 e a descida foi nervosa, cortando a neve na crista como se fosse nata. Enfim chegamos ao Passo Dick e dai para baixo foi mais facil. Meio dia chegamos no campo 1 e fazia um certo calor o que complicou um pouco pois o glaciar eh super fratutado e com muitas gretas. As 17 chegamos ao campo base felizes e contentes. Normalmente abandonar um objetivo, descer de uma montanha tras uma certa frustracao, desta vez foi muito diferente, ficamos contentes. Realmente tinha um bad felling no ar. Bem continuou o show de horror. Um doa Iranianos congelou os dedos do pe e na noite seguinte um russo morreu 1000m acima de onde demos meia volta.
Bem estamos voltando para casa bem felizes e contentes com tudo que fizemos e aprendemos e logo nos vemos por ai.

Beijos
Irivan

05 março 2009

Patagônia 2009

Viagem à Patagônia Argentina em Janeiro e Fevereiro....